Volta Redonda Notícias

IFRJ abre inscrições para processo seletivo para pós-graduação em Pinheiral

Podem participar profissionais graduados em cursos das áreas de ciências agrárias, ambientais, humanas e sociais, engenharias e áreas afins. As aulas acontecerão das 18h às 22h, às terças e quintas-feiras e, eventualmente, aos sábados das 9h às 13h, no campus do IFRJ em Pinheiral, na Rua José Breves, nº 550, no Centro.

A taxa de inscrição para o processo seletivo custa R$ 80. O curso é gratuito. O processo ocorrerá em quatro etapas e serão oferecidas 20 vagas. Mais informações sobre os cursos podem ser obtidas pela página da instituição na internet.
Serviço

O quê: inscrições para processo seletivo de pós-graduação no IFRJ – campus Pinheiral

Quando: até 11 de Novembro

Quem pode: profissionais graduados em cursos das áreas de ciências agrárias, ambientais, humanas e sociais, engenharias

Quanto: R$ 80

Onde: campus do IFRJ em Pinheiral, Rua José Breves, nº 550, Centro

Homem é preso com maconha e cocaína na Vila Independência em Barra Mansa

Foto: Divulgação

Um homem foi preso com uma quantia considerável de drogas nesta tarde de sábado na Vila Independência em Barra Mansa. A prisão que foi efetuada por agentes da 2ª Cia. do 28° Batalhão da Polícia Militar.

As guarnições da Patamo I (3° sargento Stivanin e cabos Cleber, Orsini e L. Santos) e Patamo II (sargento Eberson e cabos Amaral, Lazaroni e Vilela), estiveram em uma casana Rua Fábio Walter de Carvalho onde foram recebidos pela irmã do suspeito, que permitiu a revista no imóvel. Após as buscas, foram encontrados em uma das casas do terreno um pedaço de erva seca prensada. Questionada se tinha mais drogas e qual o paradeiro de seu irmão, ela disse não saber.

Os policiais fizeram buscas pelo bairro e localizaram o homem na RJ 155, que foi informado sobre a denúncia. O mesmo foi até o terreno com os policiais e autorizou nova revista, onde os policiais encontraram uma balança de precisão e uma pistola de pressão. Também questionado se havia na casa mais material ilícito, ele garantiu que não. Contudo, os policiais permaneceram no local e após algumas horas, notaram um buraco no telhado da casa. Nele, estavam duas sacolas contendo pó branco (cocaína).

Diante dos fatos, ele foi conduzido à 90ª Delegacia de Polícia, onde foi preso e autuado no artigo 33 do Código Penal, tráfico de drogas.

Sub-17 do Voltaço está na final da Taça Rio

Os meninos do Sub-17 do Voltaço venceram o Boavista por 3 a 2 e estão classificados para a final da Taça Rio. A partida aconteceu no CT Oscar Cardoso, com gols, do Marcos Vinícius, o ‘Bebê’ e Vitinho.

Na decisão, o Voltaço irá enfrentar o Madureira. A primeira partida será no próximo sábado, dia 27, às 13h, em Conselheiro Galvão. O jogo de volta está marcado para o dia 3 de novembro, às 13h, no CT Oscar Cardoso.

Mulheres fazem ato pelo país contra Bolsonaro e pela democracia

Em várias cidades do país, manifestantes se reúnem neste sábado (20) contra o fascismo e a favor da democracia, pelos direitos humanos e em defesa da liberdade de expressão. O ato é organizado por movimentos de mulheres de distintos segmentos, entre eles Mulheres Unidas contra Bolsonaro. Já para o domingo (21) estão programadas manifestações em todo país contra o comunismo e o retorno do PT à presidência.

São Paulo

Em São Paulo, a manifestação lotou o vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp). A multidão chegou a extrapolar a área da praça e ocupou totalmente os dois sentidos da Avenida Paulista, na região central da capital. Ao som de tambores, centenas de pessoas gritavam “Ele não!”, “Ele Nunca!” e “Ele Jamais”, em referência ao candidato à presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro.

A articulação do ato na capital paulista é dos mesmos coletivos de mulheres que organizaram o protesto do último dia 29 no Largo da Batata, zona oeste paulistana, contra o candidato.

Faixas de diversas cores e tamanhos se posicionavam contra as declarações do presidenciável consideradas ofensivas às mulheres, aos homossexuais e negros. Também podiam ser vistas bandeiras de centrais sindicais e partidos políticos em meio à multidão.

O protesto, que seguiu em direção à Praça da Sé, contou com público diverso: pais com filhos no colo, adolescentes, casais de idosos e artistas.

Para Fábia Carmen, uma das participantes da organização, que reúne cerca de 30 coletivos de mulheres, a mobilização foi fundamental para evitar que Bolsonaro obtivesse uma vitória já no primeiro turno da eleição: “Se a gente não tivesse lutado como a gente lutou, talvez não tivesse nem segundo turno”, enfatizou.

Rio de Janeiro

Ato Contra o Retrocesso em Defesa da Democracia, na Cinelândia, região central do Rio de Janeiro – Tânia Rêgo/Agência Brasil

No Rio, os manifestantes se reuniram na Cinelândia. Com bandeiras de vários partidos de esquerda, jovens, idosos e crianças gritavam “Ele não!”.

Durante toda a manifestação os participantes entoavam cantos como “A nossa luta, é todo dia, somos mulheres na democracia”, ou ainda “Pisa ligeiro, quem não pode com as mulheres não atiça o formigueiro”.

Na Candelária, os manifestantes homenagearam com uma dança o mestre Moa do Katendê, assassinado a facadas na noite do primeiro turno da eleição após declarar voto ao PT, em Salvador (BA).

Ana Carlina Costa, uma das organizadoras do movimento Mulheres Unidas contra Bolsonara, disse que a manifestação de hoje é a continuação da do último dia 29 de setembro, que levou, segundo os organizadores, mais de um milhão de pessoas às ruas de todo o país.

“Foram mais de um milhão de pessoas, pra dizer porque a gente não aceita um governo do Bolsonaro, com um programa fascista e de ataque à classe trabalhadora do país”.

Da Candelária, os manifestantes seguiram em passeata até a Lapa.

Brasília

Manifestantes em passeata contra Bolsonaro e em defesa da democracia, em Brasília – José Cruz/Agência Brasil

Na capital federal, os manifestantes começaram a se agrupar na Rodoviária e às 16h ocupavam três faixas do eixo monumental. Eles seguiram em direção à Funarte, na região central da cidade. De acordo com a organização, 10 mil pessoas participaram do protesto. A Polícia Militar não estimou o número de participantes. Como nas outras capitais, o ato contou com mulheres, adolescentes, jovens, casais de idosos e muitas famílias acompanhadas dos filhos. Com cartazes e ao som de tambores, as pessoas subiram a avenida gritando “Ele não!”, “Ele Nunca!” e “Ele Jamais”.

Críticas às declarações do presidenciável consideradas ofensivas às mulheres, aos homossexuais e negros estavam presentes em faixas de diversas cores e tamanhos: “A gente quer um país para todas e todos”, “Mais amor e menos ódio”, “Mulheres contra o machismo, o racismo e a homnofobia” e “Marielle, presente”, uma referência à vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco assassinada em 14 de março, podiam ser vistas na manifestação.

Motoristas que passavam pelo local buzinaram, saudando os manifestantes. Um espaço para acolher as crianças e para a confecção de cartazes foi montado na Funarte por um grupo de mães presente no ato. Entre os manifestantes, um clima de tranquilidade e solidariedade.

“Hoje voltamos às ruas de Brasília para dizer que a gente quer barrar o atraso, quer barrar o candidato que representa as posições fascistas em curso no nosso país. Tem mulheres, trans, homens, gente nova, idosos, pessoas de todas as cidades satélites”, disse a jornalista Leonor Costa, uma das organizadoras.

Uma forte chuva, dispersou a manifestação por volta das 17h40.

*Matéria ampliada às 16h40 e às 18h20

Por Daniel Mello, Nielmar de Oliveira, Luciano Nascimento – Repórteres da Agência Brasil  Brasília

TSE suspende propaganda do Haddad que liga Bolsonaro à tortura da ditadura

O ministro Luís Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral, determinou a suspensão de uma propaganda do candidato à presidência Fernando Haddad (PT) que ligava o também concorrente ao cargo Jair Bolsonaro à tortura da ditadura militar.

Na peça publicitária apareciam algumas falas do próprio Bolsonaro como “Vamos fuzilar a petralhada aqui do Acre” e “eu sou a favorável à tortura”,  além de sua homenagem ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, intercaladas com depoimentos de mulheres que foram torturadas após o golpe militar de 1964. Ao fundo, cenas do filme brasileiro Batismo de Sangue.

A representação ajuizada pela coligação do candidato do PSL pediu a proibição da veiculação da propaganda sob argumento de violação do artigo 242 do Código Eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

Ao analisar o pedido, o ministro afirmou que a postura do TSE em casos semelhantes tem sido no sentido de que a previsão do artigo 242 sustentada pela defesa de Bolsonaro não pode “embaraçar a crítica de natureza política – ainda que forte e ácida -, ínsita e necessária ao debate eleitoral e substrato do processo democrático representativo”, conforme decisão de 2014 de relatoria do ministro Tarcisio Vieira De Carvalho Neto.

Mas Salomão considerou que o caso “ultrapassou os limites da razoabilidade e infringiu a legislação eleitoral”, uma vez que “a distopia simulada na propaganda, considerando o cenário conflituoso de polarização e extremismos observado no momento político atual, pode criar, na opinião pública, estados passionais com potencial para incitar comportamentos violentos”.

Além disso, o ministro ressaltou que a propaganda em questão apresenta trechos do filme Batismo de Sangue, com cenas de tortura. “Segundo a classificação indicativa realizada pelo Ministério da Justiça, o conteúdo da mídia, diante das cenas de violência, destina-se à faixa etária acima dos 14 anos, e só poderia ser veiculada, na televisão, após às 21h”, afirmou ao completar que se torna inviável a transmissão da peça porque o bloco noturno do horário da propaganda eleitoral começa às 20h30.

Clique aqui para ler a decisão.
Representação 0601776-50.2018.6.00.0000