Volta Redonda Notícias

Volta Redonda tem cerca de 250 carros e motos entrando em circulação a cada mês

Dados do Detran mostram que moradores da cidade precisam reduzir dependência do transporte individual

 

De dezembro de 2016 até outubro de 2018, 5.508 veículos de transporte individual (carros, motos e similares) entraram em circulação em Volta Redonda, de acordo com os dados do Detran-RJ. A informação mostra que a cidade atravessa um período de expansão econômica, mas também tem um lado preocupante: é impossível abrir espaço para tantos veículos na mesma velocidade em que eles se integram à frota do município.

 

A tendência é haver cada vez mais dificuldades de circulação e de estacionamento, principalmente nas áreas centrais da cidade. Por isso, a prefeitura mantém em andamento diversos para melhorar as condições do transporte coletivo e incentivar o uso de meios de transporte sustentável, como as bicicletas.

 

A intenção é permitir e incentivar que as pessoas deixem o carro na garagem, evitando que haja os chamados “nós” no trânsito, por excesso de veículos. “Reconheço que o transporte individual fornece ao cidadão uma sensação de independência e permite deslocamentos mais rápidos, mas há situações em que é melhor usar transporte coletivo, ir de táxis, bicicleta ou até a pé”, diz o secretário municipal de Transporte e Mobilidade Urbana, Maurício Batista.

 

No que diz respeito ao transporte coletivo, a prefeitura está concluindo um projeto que vai permitir que moradores de um bairro ou de um conjunto de bairros próximos circulem gratuitamente dentro do bairro ou da área, acessando linhas de ônibus que os levarão aos centros da cidade. A cidade também tem projetos para ampliar a rede de ciclovias, fazendo com que o deslocamento de bicicleta seja mais rápido e seguro.

 

O prefeito Samuca Silva acredita que a prioridade dos projetos de mobilidade urbana deve se deslocar dos veículos para as pessoas. “O segredo da mobilidade não é o carro se mover mais rápido. É dar condições para que as pessoas se desloquem com mais rapidez e conforto”, afirmou.

Haddad vira réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

O candidato derrotado à Presidência da República pelo PT e ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, virou réu hoje (19) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A Justiça de São Paulo recebeu a denúncia do Ministério Público, que o acusa de receber R$ 2,6 milhões da UTC para saldar dívidas de campanha. Haddad nega as acusações e diz que vai se defender.

É a primeira vez que o petista se torna réu em ação criminal. Para Haddad, a decisão é “mais uma tentativa de reciclar a já conhecida e descredibilizada delação de Ricardo Pessoa”.

O empresário e sócio da empreiteira UTC afirmou, em delação premiada, que contribuiu para saldar dívidas na campanha de Haddad à prefeitura paulistana em 2012.

“Com o mesmo depoimento, sobre os mesmos fatos, de um delator cuja narrativa já foi afastada pelo STF, o Ministério Público fez uma denúncia de caixa 2, uma denúncia de corrupção e uma de improbidade”, disse Haddad.

Segundo o ex-prefeito, as denúncias são “sem provas, fincadas apenas na desgastada palavra de Ricardo Pessoa”. De acordo com ele, o empresário “teve seus interesses contrariados” enquanto ele estava na Prefeitura de São Paulo. “Trata-se de abuso que será levado aos tribunais”, informa a nota do ex-prefeito.

Vídeo mostra momento em que idoso é esfaqueado no Aterrado

Um vídeo divulgado nas redes sociais, mostra o momento em que um idoso foi esfaqueado no bairro Aterrado em Volta Redonda. No vídeo é possível ver o momento em que a assassina foge com a arma do crime.

Entenda:

Juscelino Natal de Oliveira, de 62 anos  foi esfaqueado na manhã desta sexta-feira,16, no bairro Aterrado, em Volta Redonda.

Rosilene Santigo da Luz, de 38 anos, foi presa em flagrante pela Guarda Municipal, dentro da mochila dela foi encontrada a suposta arma do crime.

O motivo da agressão teria sido um programa que não foi pago por Juscelino, a vítima foi socorrida no Hospital São João Batista mas não resistiu aos ferimentos.

“Não podemos ter escravos cubanos” Diz Bolsonaro

Em entrevista neste domingo, 18, após a etapa do GrandSlam de Jiu-JItsu no Rio de Janeiro, o presidente eleito, afirmou categoricamente que o Brasil não pode ter escravos cubanos. Ainda afirmou que se trata de uma questão humanitária, visto que os profissionais só recebem 30% do salário, 70% fica com o governo cubano.

“Não podemos ser coniventes com o trabalho análogo a escravidão. É uma questão humanitária. Eu não sou presidente. Em janeiro nós vamos apresentar o remédio para isso. Se bem que o governo Temer já está trabalhando nesse sentido. É justo confiscar 70 ou 80% do salário de uma pessoa? Não é justo”, criticou Bolsonaro.

“Não podemos admitir escravos cubanos no Brasil e não podemos continuar alimentando a ditadura cubana”, complementou.