Volta Redonda Notícias

Posse de Bolsonaro será às 15h de 1º de janeiro, diz Eunício

 

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), confirmou que a solenidade de posse do presidente eleito Jair Bolsonaro foi antecipada em duas horas e ocorrerá às 15h, em 1º de janeiro. Segundo ele, a mudança foi para atender a um pedido do próprio Bolsonaro.

A cerimônia está sendo organizada por uma equipe multidisciplinar com integrantes do Congresso Nacional, da Presidência da República e do Ministério das Relações Exteriores. Há solenidades nos três locais.

Orçamento

Eunício disse ainda que pretende se reunir com os integrantes da área econômica do governo eleito. De acordo com ele, na pauta está a possibilidade de mudanças na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2019.

O senador afirmou que está à disposição para colaborar com a nova equipe. Segundo ele, é importante que o governo eleito tenha ciência do orçamento que vai implementar.

*Com informações da Agência Senado

Samuca Silva cria decreto que retira limite de gastos com publicidade da prefeitura

No último dia 30 de Outubro, o prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva(sem partido), criou um decreto onde retira o limite de 15% do orçamento de 2018 para gastos com campanhas publicitárias. O que chama a atenção, é que logo depois, um um edital para uma pesquisa de opinião foi lançado. O contribuinte de Volta Redonda, terá que pagar por pesquisa de opinião que a prefeitura faz com os moradores, mesmo com diversos recursos gratuitos que temos disponível hoje no mercado digital.

Outra fator que chamou a atenção, foi que no Decreto do dia 27 de Outubro, dias antes, o prefeito da cidade do aço, fechou uma creche municipal, a Creche Municipal Girassol.

Ou seja, pode-se concluir por alto, que a prefeitura municipal vai investir em Marketing próprio, e, por ora, reclama não possuir receita para quase nada, nem para manter uma simples creche.

 

Samuca Silva critica população que não concorda com a Contribuição de Iluminação Pública(COSIP)

“Quem transmitiu isso não tem responsabilidade com cidade” diz Samuca Silva no programa Fato Popular da rádio 88FM, a respeito dos moradores de Volta Redonda que informaram os nomes dos vereadores que aprovaram a COSIP(Contribuição de Iluminação Pública).

Segundo ele os vereadores tiveram a ” coragem, responsabilidade e ombridade” em aprovar a controversa lei, uma vez que é uma exigência do Tribunal de Contas do Estado e do Ministério Público. Segundo ele, a não criação da “taxa” foi um dos motivos de reprovação de receitas do executivo no passado. Ao final ele parabeniza os vereadores.

Também afirma que os vereadores fizeram um bem para a população pois retiraram 70% da população do limite de gastos em KWh.

Já mais para o fim da entrevista o prefeito reafirma que quem está questionando tal cobrança não possui responsabilidade com a cidade e também afirma que graças a essa lei que as luzes da cidade estão funcionando.

E você concorda com o Prefeito? Deixe aqui nos comentários sua opinião.

Participe do Abaixo-assinado contra a COSIP clicando neste link

 

 

“Disque Corrupção” vai ser utilizado para coibir blitzes corruptas das polícias – DIZ Witzel

O Governador Wilson Witzel, recentemente em entrevista à TV RECORD, afirmou que vai criar um Disque-Corrupção que será integrada à Corregedoria da Polícia Militar para evitar a corrupção nas famosas blitzes, outro alvo de milhares de denúncias de corrupção no Estado do Rio de Janeiro.

Blitz da polícia

“Na questão das blitzes (da Polícia Militar), vamos ter uma corregedoria em que vamos criar inclusive o Disque Corrupção para que anonimamente você informe quem, onde e quando sofreu algum tipo de lesão em razão da corrupção. Vamos agir com rigor.”

STJ manda soltar Joesley e executivos da J&F presos na Operação Capitu

O ministro Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), mandou soltar o empresário Joesley Batista, um dos donos da empresa J&F, bem como três ex-executivos da empresa: Ricardo Saud, Demilton Antonio de Castro e Florisvaldo Caetano de Oliveira. Eles haviam sido presos em 9 de novembro na Operação Capitu.

Em decisão assinada ontem (11), Cordeiro havia determinado a soltura do ex-ministro da Agricultura Neri Gueller e do ex-secretário de Defesa Agropecuária, Rodrigo Figueiredo. Nesta segunda, o ministro estendeu os efeitos da ordem de soltura a todos os 19 investigados na operação.

Também foram libertados o vice-governador de Minas Gerais Antonio Andrade e o empresário do ramo de supermercados Walter Santana Arantes. O ex-deputado Eduardo Cunha também teve um habeas corpus concedido, mas continuará preso no âmbito da Operação Lava Jato.

A Operação Capitu apura o suposto esquema de pagamento de mais de R$ 30 milhões em propina, entre 2014 e 2015, a parlamentares do MDB em troca de favorecimentos no Ministério da Agricultura.

Brasília - O empresário Joesley Batista durante depoimento na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da JBS (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
O empresário Joesley Batista  – Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na ordem em que confirmou a prisão dos investigados, a desembargadora Mônica Sifuentes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), disse que apesar de aparentarem colaborar com as investigações, inclusive assinando acordos de delação premiada, os suspeitos ocultaram “fatos relevantes” e tentaram “direcionar a autoridade policial”.

Ao examinar o caso e soltar os suspeitos, o ministro do STJ Nefi Cordeiro afirmou que houve excesso nas ordens de prisão. Para ele, a ocultação de fatos não justifica, por si só, a privação da liberdade.

“A falta de completude na verdade pode ser causa de rescisão do acordo ou de proporcional redução dos favores negociados, mas jamais causa de risco ao processo ou à sociedade, a justificar a prisão provisória”, escreveu o ministro. Além disso, Cordeiro entendeu que os fatos investigados não são atuais, portanto não haveria risco à colheita de provas.

Foram soltos ainda: Mauro Luiz Rodrigues de Souza, Ildeu da Cunha Pereira, Mateus de Moura Lima Gomes, José Francisco Franco da Silva Oliveira, Cláudio Soares Donato, Waldir Rocha Pena, João Lúcio Magalhães Bifano, Antônio Eustáquio Andrade Ferreira, Marcelo Pires Pinheiro e Fernando Manuel Pires Pinheiro.