Volta Redonda Notícias

AGU recorrerá da decisão do Supremo sobre Dpvat

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (3) que respeita decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), mas antecipou que a Advocacia-Geral da União (AGU) vai recorrer da decisão do presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, de suspender a redução dos valores a serem pagos na contratação do seguro obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Dpvat).

“No momento, essa questão está judicializada. A AGU vai recorrer porque está aí para defender o governo. Conversei com André Mendonça [advogado-geral da União], que vai questionar essa questão no Supremo”, disse hoje Bolsonaro ao deixar o Palácio do Alvorada.

Por meio da Medida Provisória 904/2019, editada em novembro do ano passado, o governo federal tentou, em um primeiro momento, extinguir o pagamento do Seguro Dpvat, contribuição obrigatória destinada a cobrir gastos de acidentes causados por veículos.

A MP foi então alvo da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6.262, proposta pela Rede, sob o argumento de que os recursos são utilizados para proteção social de vítimas de acidentes de trânsito no Sistema Único de Saúde (SUS). O partido também alegou que não há urgência e relevância na matéria para justificar a edição por meio de medida provisória. Por 6 votos a 3, a maioria dos ministros do STF decidiu, no dia 19 de dezembro, suspender a MP.

O governo adotou o Plano B de reduzir o Dpvat, em vez de extingui-lo.O Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), então, aprovou uma redução de 67,7% e de 85,4% no valor do DPVAT de 2020 para carros e motos, respectivamente.

No dia 31, em nova decisão, o ministro Dias Toffoli suspendeu também a redução dos valores a serem pagos na contratação do seguro, que tinha previsão de vigorar a partir de 1º de janeiro.

Fonte: Agência EBC

Ataque dos EUA impactará no preço dos combustíveis, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (3) que o ataque feito pelos Estados Unidos a um comboio no Iraque, que resultou na morte do comandante de alto escalão da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, deverá impactar no preço dos combustíveis no Brasil. Bolsonaro descartou a possibilidade de tabelar o preço do produto para controlar impactos e disse que vai discutir o assunto com a equipe econômica e com o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno.

O ataque norte-americano nas proximidades do Aeroporto de Bagdá pode acirrar o clima de tensão e provocar reflexos em todo o mundo. “Tive algumas informações [sobre o ataque] nessa madrugada, e vou me encontrar com o Heleno [do GSI] para me inteirar sobre o que aconteceu para, depois, emitir juízo de valor”, disse o presidente ao deixar o Palácio do Alvorada.

Apesar de admitir a preocupação com reflexos da crise internacional sobre a economia do país, o governo não pretende intervir em políticas de preços como o tabelamento. “Que vai impactar, vai. Agora vamos ver nosso limite aqui, porque já está alto, e se subir mais, complica. Mas não posso tabelar nada. Já fizemos esse tipo de política de tabelamento antes e não deu certo. Vou agora conversar com quem entende do assunto”, completou. Bolsonaro tentou contato com o presidente da Petrobras, Roberto da Cunha Castello Branco, mas eles ainda não conseguiram conversar sobre o assunto.

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a quebra do monopólio da Petrobras como uma alternativa para baratear os combustíveis. “Temos de quebrar o monopólio [para evitar a alta dos combustíveis]. A distribuição é ainda o que mais pesa no preço, e depois o ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços], que é um imposto estadual”, acrescentou ao ressaltar que, por o ICMS incidir sobre bases de preços maiores, o aumento do preço acaba agradando governadores, uma vez que aumenta também as receitas.

Para Bolsonaro, o Brasil já chegou ao limite no que se refere a cobrança de impostos. “Não dá para aumentar mais imposto no Brasil. Ponto final. No ano passado pagamos por dia mais de R$1 bilhão em juros. Foram R$ 400 bilhões por ano. A Europa foi reconstruída, pós 2ª guerra mundial, um montante desse. Então, por ano, pagamos uma reconstrução da Europa”, disse. Ele ainda lembrou que a queda da taxa básica de juros (Selic) para 4,5% ao ano resultou em uma economia de R$ 110 bilhões no corrente ano.

EUA

Em fevereiro, Bolsonaro viajará aos EUA para visitar empresários militares do setor energético interessados em apresentar ao presidente uma tecnologia de transmissão de energia elétrica sem meio físico (linhas de transmissão).

“Se isso for real, de acordo com a distância vamos resolver o problema de energia elétrica de Roraima, passando por cima da floresta. Estamos há sete anos tentando fazer o Linhão de Tucuruí e não conseguimos. Em consequência pagamos mais de R$ 1 bilhão em subsídios, porque não pode passar a linha de transmissão costeando uma reserva indígena. Isso é o Brasil”, disse o presidente.

Beth Carvalho, a Madrinha do Samba, morre no Rio aos 72 anos

A música brasileira perdeu uma torcedora do Botafogo: Beth Carvalho morreu nesta terça-feira, aos 72 anos. A causa da morte da “Madrinha do Samba”, que estava internada no Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, não foi divulgada.

Beth Carvalho cantou sua paixão pelo Botafogo em sua obra (Divulgação Botafogo)
Beth Carvalho cantou sua paixão pelo Botafogo em sua obra (Divulgação Botafogo)

Em mais de 50 anos de trajetória, Elizabeth Santos Leal de Carvalho escreveu algumas das páginas mais marcantes da história do samba no país. Nascida em 5 de maio de 1946, a cantora começou seu ciclo na música ainda criança. Após gravar seu primeiro compacto em 1965, a cantora se destacou de vez no cenário musical no Festival Internacional da Canção de 1968.

p

Ela levou “Andança” (de Edmundo Souto, Danilo Caymmi e Paulinho Tapajós) a obter a terceira colocação, ficando atrás de “Sabiá” e “Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores”. Na década de 1970, Beth emplacou uma série de sucessos, como “Saco de Feijão”, “1.800 Colinas”, “Firme e Forte” e “Coisinha do Pai”.

A generosidade com o samba fez com que Beth Carvalho se tornasse “madrinha” de artistas como Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz e Jorge Aragão. Além disto, resgatou as obras de artistas como Nelson Cavaquinho e Cartola.

Sua ligação com o futebol ocorreu em mais de um momento. Torcedora declarada do Botafogo, Beth Carvalho fez a música “Botafogo Campeão” em 1989 para celebrar o fim do jejum de 21 anos da equipe.
Em 1995, a cantora interpretou o hino do Glorioso, em um disco lançado pela revista “Placar”, ao lado de Ed Motta, Claudio Zoli e Eduardo Dussek, e ainda tem em seu repertório a música “Amor Em Preto e Branco”. A torcida alvinegra retribuiu de uma forma singela: “adotou” a música “Vou Festejar”, interpretada por Beth Carvalho, como uma de suas músicas.

Beth foi casada com um jogador de futebol: Edson Cegonha. O ex-volante, que atuou por Corinthians, São Paulo e Seleção Brasileira, é pai de sua filha, Luana Carvalho.

Aliada à paixão pelo Alvinegro carioca, a cantora não escondia sua admiração pela Mangueira e pelo bloco Cacique de Ramos (onde conheceu boa parte de seus “afilhados musicais”). A dimensão de seu trabalho chegou ao ápice em 1997: Coisinha do pai” foi programada pela engenheira brasileira da NASA, Jacqueline Lyra, para “despertar” um robô em Marte.

Nos últimos anos, a cantora conviveu com um grave problema de coluna, que causou o cancelamento de seu show no Réveillon em 2009. Após ser submetida a uma cirurgia em 2012, foi homenageada pela escola de samba Acadêmicos do Tatuapé, mas foi representada por sua sobrinha, Lu Carvalho.

Com a mobilidade bastante reduzida devido aos problemas de coluna, Beth Carvalho fez um show histórico em 2018. Ao lado do grupo Fundo de Quintal, a cantora se apresentou deitada no show “Beth Carvalho encontra Fundo de Quintal – 40 anos de pé no chão”. Nos últimos dias de internação, as visitas a ela ficaram reduzidas, devido ao estado de saúde da cantora.

Beth Carvalho sai de cena reconhecida por vários prêmios, dentre eles o fato de ser a primeira sambista a receber um dos reconhecimentos mais importantes do Grammy: o prêmio Lifetime Achievement Awards.

Operadoras adiantam relógios em uma hora e causam confusão

Operadoras de telefonia móvel antecipam horário de verão – Marcello Casal Jr/Agência Brasi

Temer assinou um decreto para reduzir o período com o objetivo de evitar conflitos com as eleições. É que se o novo horário já estivesse em vigor, no domingo que vem, quando os brasileiros voltam as urnas para o segundo turno da eleição presidencial e para governador em 13 estados e no Distrito Federal, a diferença de fuso horário no Acre em relação à Brasília, por exemplo, seria de três horas.

Até o fechamento dessa reportagem as operadoras ainda não haviam explicado o motivo da alteração no horário.

Mais confusão

Na semana passada o mesmo problema ocorreu em aparelhos de clientes da operadora Tim. A empresa reconheceu que um problema de sistema fez com que alguns modelos de smartphones tivessem o relógio adiantado. Na nota, a Tim disse lamentou o ocorrido e pediu desculpas aos clientes pelo inconveniente.

Como a nova data de início do horário de verão coincidirá com o primeiro dia de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Planalto também chegou a anunciar o início para o dia 18 de novembro, mas logo voltou atrás. De acordo com a Casa Civil da Presidência, o decreto que faria a alteração não foi publicado no Diário Oficial da União.

As informações são da Agência Brasil.

Preço da gasolina cai 2% nas refinarias a partir de amanhã

A Petrobras anunciou hoje (19), em sua página na internet, que o preço do litro da gasolina ficará 2% mais barato em média nas refinarias de todo o país a partir de amanhã (20). Com a decisão, valor cairá de R$ 2,1490 – preço que vigorava desde o último dia 12 – para os R$ 2,1060 anunciado pela estatal para vigorar neste sábado.

O preço do litro do combustível atingiu maior valor nas refinarias no dia 14 de setembro último, quando a estatal passou a cobrar pelo litro da gasolina R$ 2,2514, preço que se manteve por 12 dias, até o dia 22 do mesmo mês, portanto por doze dias consecutivos.

A partir de então, o preço do litro da gasolina passou a registrar quedas consecutivas. No dia 25 de setembro, a estatal reduziu o preço do litro do procuto para R$ 2,2381, mantendo desde então uma tendência de queda no preço do litro da gasolina.

A última movimentação no preço do produto se deu no último dia 12 de outubro, quando o preço médio do litro nas refinarias passou a custar R$ 2,1490, preço que ficou estável por quatro dias consecutivos até o aumento anunciado hoje e que passará a vigorar a partir de amanhã.

O óleo diesel cobrado nas refinarias está em R$ 2,3606, o litro, desde o dia 30 de setembro, quando foi reajustado. Antes custava R$ 2,2964.

Publicado em 19/10/2018 – 12:52

Por Nielmar de Oliveira – Repórter da Agência Brasil  Brasília